segunda-feira, 7 de abril de 2008
















Para resumir em uma só palavra o nosso retiro foi: Emocionante. Acho que ao fazermos este retiro Deus agiu profundamente na vida de todos os jovens que participaram neste retiro.
Saímos de nossas casas e despedimo-nos da nossa padroeira e depois fizemos a nossa viagem para o nosso destino. Ao chegarmos lá, nós acólitos mais velhos sabíamos que Deus ia fazer algo muito lindo nas nossas vidas para podermos aceitar os jovens mais novos, e assim foi.
À medida que avançávamos nos trabalhos, fomo-nos encontrando connosco próprios e com Deus. Os trabalhos foram maravilhosos; ao fazermos estes trabalhos Deus ia- nos mostrando o valor que cada um de nós tem para com Ele e para com a igreja, para assim os podermos servir bem.
No lava-mãos houve uma reconciliação entre nós. Diferenças foram esquecidas e a convivência de uns com os outros foi aparecendo de novo, porque Deus queria que nós fossemos um grupo unido.
No fim do nosso encontro, ficou uma coisa marcada em cada um de nós, é que a convivência entre nós faz com que o nosso grupo de acólitos seja um grupo unido e alegre para que possamos estar firmes na fé e na caminhada, vivendo aquilo que Deus e a Igreja quer que façamos, para assim os podermos servir de uma forma alegre e unida.
Nós, Acólitos de Nossa Senhora da Conceição, vimos dizer ao nosso pároco e aos nossos representantes de grupo um muito obrigado pelo trabalho e esforço que fizeram para connosco, para assim podermos ser o grupo que vemos hoje em dia, um grupo unido e com muita alegria. O nosso muito obrigado.




Hugo Gil Almeida Ferreira

2 comentários:

André Silva disse...

concordo plenamente contigo Hugo...
foi uma experiência emocionante, e está aqui aos olhos de Deus que os jovens tambem não têm vergonha de o servir...
o abraço para todos :)

Anónimo disse...

Boa! Também vou resumir o teu texto em 2 palavras: muito bom.
nós,novos acólitos, estamos muito agradecidos por vocês nos terem recebido bem, tornando-nos bons acólitos.
Um abraço do teu grande amigo e acólito João Chaves